user_mobilelogo

A nova gama de pneus de competição Goodyear Eagle F1 SuperSport garantiu consistência, durabilidade e performance durante as 24 horas de Le Mans, naquela que foi a maior operação da Goodyear desde o seu regresso ao automobilismo mundial, há dois anos atrás. Não menos do que 25 carros, a totalidade da classe LMP2, competiram com os pneus slick, intermédios e de chuva da Goodyear, e a equipa belga Team WRT alcançou uma vitória memorável após 24 horas de competição a fundo.

Depois de ter fornecido cinco carros em Le Mans no ano passado, em competição aberta de pneus, foi atribuído à Goodyear o fornecimento exclusivo da classe LMP2 a partir de 2021. A 89ª edição deste ano da mais prestigiada corrida de resistência do mundo foi a primeira em que a Goodyear forneceu toda a classe LMP2, a categoria mais numerosa da prova.

Começa a corrida

A equipa britânica JOTA arrancou da pole position, com António Félix da Costa a assumir a largada. O piloto português teve um rápido primeiro stint, aproveitando as condições mistas para ser segundo da geral, bem no seio da mais veloz categoria Hypercar. Infelizmente, o protótipo acabaria, mais tarde, por cair na tabela classificativa, depois de uma saída de pista.

Após ter lutado com Félix da Costa nas primeiras voltas, o ex-piloto de Fórmula 1, Robert Kubica, assumiu a dianteira pouco antes do final da terceira hora. A partir daí, Kubica e os seus companheiros de equipa na WRT, Louis Deletraz e Yifei Ye, tornaram-se líderes firmes, juntamente com o outro carro da JOTA e os inscritos pelas equipas United Autosports e Panis Racing, que terminou no pódio em 2020.

À medida que a corrida progredia ao longo da noite, foi o outro carro da WRT, partilhado por Ferdinand Habsburg, Robin Frijns e Charles Milesi, que assumiu a liderança. Ao amanhecer, os dois carros da WRT estavam na frente, e mantiveram-se em formação 1-2 durante o resto da corrida, apesar de uma troca de posições na penúltima volta, que levou Yifei Ye à liderança. O drama de final da prova, já na última volta, obrigou Ye a parar na pista, permitindo a Robin Frijns recuperar e levar a vitória para Habsburg e Milesi.

Robins Frijns segurou por muito pouco o piloto da JOTA, Tom Blomqvist, atrás de si durante a derradeira volta, e acabou por cruzar a linha de chegada com uma vantagem de apenas 0,727 segundos. Blomqvist partilhou o seu carro da JOTA com Stoffel Vandoorne e Sean Gelael. Na terceira posição ficou a Panis Racing pelo segundo ano consecutivo. Em LMP2 Pro-Am, a subcategoria reservada a formações de pilotos de nível um pouco mais amador, os pilotos da DragonSpeed, ​​Juan Pablo Montoya, Henrik Hedman e Ben Hanley, alcançaram a vitória.

Ritmo consistente e longos stints

A Goodyear tomou a decisão de levar uma especificação slick para Le Mans, o mesmo composto de especificação "C" que as equipas de LMP2 utilizaram em todas as corridas até agora disputadas este ano no Campeonato do Mundo de Resistência (WEC) da FIA e nas European Le Mans Series (ELMS). Este composto médio-plus foi eleito para apoiar os objetivos de estratificação do organizador de Le Mans, a ACO, com o intuito de garantir uma suficiente diferença de ritmo entre as classes.

Houve uma equipa que disputou mais de 650 km com apenas um jogo de pneus durante as mais frias condições noturnas, o que é mais do dobro da extensão de uma corrida de Fórmula 1, e mostra claramente a durabilidade e a longevidade do Goodyear Eagle F1 SuperSport de competição.

Ben Crawley, Diretor de Motorsport para a EMEA da Goodyear, referiu: “As 24 Horas de Le Mans são sempre um evento especial. A corrida deste ano foi particularmente importante para a Goodyear, por ter sido a primeira edição da prova desde que nos tornámos fornecedores exclusivos de pneus para a classe LMP2. Por isso, a dimensão da nossa operação cresceu desde o nosso regresso a Le Mans no ano passado, para tornar-se na maior presença da Goodyear desde o nosso regresso o automobilismo mundial, em 2019. Foi um prazer dar as boas-vindas a convidados VIP, jornalistas, clientes e parceiros da Goodyear, para acompanharem a ação no novo Goodyear Racing Club, e levar o Goodyear Blimp a Le Mans pelo segundo ano consecutivo, para voos com passageiros durante toda a corrida. Parabéns a todas as nossas equipas parceiras, pelo seu árduo trabalho durante toda a corrida, e, em particular, à WRT, por alcançar uma vitória histórica na sua primeira presença em Le Mans”.

Pelo seu lado, Mike McGregor, Diretor do Programa de Resistência da Goodyear, salientou: “Estamos muito satisfeitos com a performance dos nossos pneus de competição Goodyear Eagle F1 SuperSport durante a semana em Le Mans. Tomámos a decisão de trazer um único composto slick que temos utilizado durante toda a temporada até agora, o nosso pneu de especificação média-plus 'C'. A excelente durabilidade deste pneu significou que muitas equipas optaram por quatro stints, ou mesmo mais, com só jogo de pneus, durante as condições noturnas mais frias. Estávamos entusiasmados por ver as oportunidades estratégicas que as equipas tomaram entre os pneus intermédios e slick quando a corrida começou sob um aguaceiro, e António Félix da Costa subiu até ao segundo lugar da geral no início da prova. Ambos os pneus, incluindo o nosso novo para piso molhado, possuem amplas janelas de operação, o que permite aos pilotos retirar uma excelente performance dos mesmos em condição variáveis".