user_mobilelogo

Uma vez mais, os pneus Kumho viveram uma jornada de grande sucesso. Armando Carvalho voltou a brilhar e a conquistar uma saborosa vitória, num rali em que 7 equipas Kumho terminaram no Top 10 global da prova organizada pela Escuderia de Castelo Branco.

A terceira jornada do Campeonato Centro de Ralis incluía dose tripla do 4ª Desafio Kumho Portugal, sendo pontuável para os Desafios Kumho Terra, Centro e Sul. O repto revelou-se aliciante e duas dezenas e meia de equipas fizeram com que a “armada” Kumho representasse mais de metade de toda a lista de participantes da prova. Mas para além da quantidade, foi a qualidade competitiva que fizeram os Kumho brilhar ao mais alto nível, dominando o rali de forma clara.

Foi de fio a pavio. Armando Carvalho e Ana Santos colocaram no seu já rico palmarés mais uma brilhante vitória num rali. A dupla, aos comandos do habitual Mitsubishi Lancer EVO V, venceram o troço inicial e já não largaram o comando até ao pódio final, detendo todos os ataques que foram sofrendo por parte da forte concorrência presente na prova. O seu andamento e domínio fica visível nas quatro vitórias em especiais, das seis que foram disputadas, com os pneus Kumho a revelrem uma eficácia total.

E, possivelmente, só não se registou uma ”dobradinha” Kumho porque Fernando Peres e José Pedro Silva desistiram logo na 2ª PEC, devido a despiste, quando eram segundos, com a dupla do EVO IX da Peres Competições a estar em condições de discutir a vitória.

Ao triunfo na geral, Armando Carvalho juntou a lógica vitória na Divisão 1 do 4º Desafio Kumho Portugal, competição onde o 2º classificado da divisão, deu aos pneus Kumho o triunfo no rali entre os carros com duas rodas motrizes. Falamos da dupla Paulo Correia/Tiago Amado (Renault Twingo R2) que assinou uma prova muito sólida, sempre em crescendo e que foi coroada ainda com o 4º posto da geral do rali.

O pódio da Divisão 1 Kumho ficou completo com o Mitsubishi Lancer EVO VI de Rui Rijo e Miguel Afonso da Luz. A dupla que veio do Algarve, optou por um andamento firme e seguro, recompensado com o referido pódio e um 7º posto da geral.

Assumindo toda a cautela própria de uma estreia absoluta em terra do seu novo Peugeot 208 VTI R2, os jovens Eduardo Santos e Inês Veiga estiveram num bom nível, concluindo o rali no 4º posto da Divisão 1 Kumho e no 9º da geral, quedando-se logo atrás de si, respetivamente em 5º da divisão e 10º da geral, a dupla formada por José Batista e Ricardo Trincadeiro, aos comandos do habitual Subaru Impreza GT 4WD. Estes, mesmo com um andamento conservador, lograram sair de Alitém com um resultado muito positivo.

Do lado dos abandonos, para lá da já referida desistência de Fernando Peres, deram-se ainda mais duas nesta divisão, na sequência de saídas de estrada: Pedro Silva e Nuno Rodrigues da Silva, em estreia na terra com o Peugeot 208 VTI R2, após a tomada de tempos da 5ª PEC e a dupla Luís Simões/Filipe Oliveira (Mitsubishi Lancer EVO IX), que desistiram já na derradeira classificativa, quando lutavam por uma posição no Top 4 absoluto. Inglório.

Já Rui da Silva Santos e João Sebastião viram uma prova de alto nível ser arruinada por um problema mecânico no Subaru Impreza, quando atacavam na penúltima especial do programa competitivo.

Inglória foi também a desistência precoce de Mariana Alves e Pedro Cardoso. Logo na 2ª PEC, uma rótula de direção cedeu e acabaram por ter uma pequena saída de estrada. Daí resultou um pequeno início de incêndio devido ao contato do escape com a vegetação, mas foi que foi rapidamente extinto, sem danos maiores para o Subaru Impreza.

A batalha pelo predomínio na Divisão 2 Kumho conheceu duas fases distintas.

Enquanto estiveram em prova, Gonçalo Henriques e Tiago Neves deram um verdadeiro recital de condução com o Renault Clio, contruindo um avanço sobre os demais que já era superior a 40 segundos quando, logo após a 3ª PEC, foram forçados a abandonar com problemas mecânicos no carro. O seu ritmo tinha-os guindado mesmo ao 3º lugar da geral do rali, numa exibição simplesmente notável.

Quem herdou então o comando na Divisão 2 foi uma dupla estreante nas lides Kumho. Tripulando um Citroen AX, Gonçalo Veríssimo e Fábio Reis imprimiram um forte andamento nas três classificativas finais e reclamaram uma vitória sólida, a que adicionaram um excelente 6º posto na classificação geral do Rali Alitém.

O 2º lugar foi para Norte, reclamado por Filipe Teixeira e Bruno Coelho. Mesmo limitados por estarem a correr com o seu Citroen C2 já vendido, rodaram sempre forte e construíram mais um excelente resultado no Desafio Kumho, sendo ainda oitavos da geral.

O pódio ficou completo com a presença de Paulo Ferraz e João Ferraz. Competiram em Alitém com um BMW 320i, enquanto aguardam pelo seu novo EVO VII, sendo recompensados com um excelente resultado que premiou a sua regularidade.

O 4º lugar final da equipa Isaac Portela/Duarte Susano foi um bom “controle de danos” pois para além de terem sofrido uma saída de estrada, a dupla estava a estrear um Citroen Saxo, com todos os condicionalismos da falta de adaptação ao carro.

Já Rui Mendes, acompanhado pelo navegador Bruno Pedrosa, realizou uma prova literalmente “no musculo”, pois cedo se viu sem direção assistida no Toyota Corolla. O 5º lugar acabou por ser positivo.

Numa estreia absoluta em competição, João Castanheira e Carlota Teles terminaram este primeiro “exame” com boa nota, colocando o Fiat Punto HGT no 6º lugar da Divisão 2, logo na frente de Jaime Falcão e André Silva que, uma vez mais, chegaram ao fim de uma prova com o Mazda 323.

Mesmo prejudicado por uma suspensão partida que os fez abandonar no primeiro dia, regressando muito penalizados em “super rali”, o piloto-preparador Jorge Pinto levou, juntamente com o copiloto Jorge Magalhães, o Vinnt S1000 ao 8º posto final.

5 equipas da Divisão 2 Kumho ficaram pelo caminho com problemas mecânicos.

Os suportes da bomba de óleo do Fiat Punto HGT de Helder Cordeiro e Bruno Pereira ditaram a desistência, enquanto o alternador avariado do Peugeot 206 esteve na génese do abandono de Viana Martins e Gonçalo Palmeira.

Já no caso da dupla Vítor Gomes/Joel Oliveira, foi a caixa de velocidades partida no Peugeot 205 GTi.

O acelerador do BMW 316i de Vítor Matias e André Gaspar decidiu “entregar a alma ao criador”, enquanto no caso de David Costa e João Costa, a razão da desistência prendeu-se com problemas mecânicos não especificados no BMW 325i.

Um toque ditou a quebra de uma suspensão no Nissan Micra de Vítor Pinheiro e Beatriz Pinto, colocando também a dupla fora do combate.

O 4º Desafio Kumho Portugal ruma agora a norte. No último fim-de-semana de julho, será a vez de se disputar o Rali de Famalicão, organizado pelo Team Baia. A prova contará para os Desafios Kumho Asfalto e Norte.