user_mobilelogo
Não correu bem o dia a António Félix da Costa, que abandonou hoje em Paris, na 6ª corrida da temporada da Fórmula E, numa altura em que lutava por um lugar dentro dos pontos. O piloto Português tinha boas aspirações para esta corrida mas um acidente com o Brasileiro Lucas di Grassi pôs fim à corrida de AFC.

Foram vários os pilotos que o previram. A segunda passagem por Ponte de Lima foi decisiva. Enquanto uma secção da manhã ficou marcada por uma concorrência com muita imprevisibilidade, a tarde ficou marcada como uma forma como equipas com a capacidade de gerir os pneus e adequar o andamento para as condições mais duras dos troços.

Hayden Paddon começou, tal como de manhã, um vencer. Mas o que mais beneficiou da segunda passagem por Viana do Castelo foi Kris Meeke, que passou para a frente à frente de Jari-Matti Latvala, que prefere poupar os pneus para o troço mais longo.

Cerca de 400 metros após a partida para SS2 (Viana do Castelo 1), a equipa do carro número 80 (José Pedro Fontes e Inês Ponte) sofreu uma saída de estrada embatendo numa árvore.

No início da derradeira passagem pelo trio de classificativas minhotas desta primeira etapa do Vodafone Rally de Portugal, nova mudança de líder no final de Viana do Castelo 2, com Kris Meeke a ascender ao primeiro lugar, por troca com Jari-Matti Latvala.

Três troços, quatro líderes distintos. Os níveis de competitividade no Vodafone Rally de Portugal estão muito altos. Depois de Thierry Neuville e Mads Ostberg terem sido os primeiro líderes, Hayden Paddon assumiu o comando a seguir ao primeiro troço do dia de hoje e agora, Jari-Matti Latvala passou para a frente. 

Jari-Matti Latvala (Toyota Yaris) terminou a primeira passagem pelas classificativas minhotas de Viana do Castelo, Caminha e Ponte de Lima no comando do Vodafone Rally de Portugal, mas com uma forte concorrência a manter-se muito perto. No troço mais longo (27,46 km) da jornada, Ponte de Lima, Kris Meeke (Citroen) foi pela primeira vez o mais rápido e fê-lo de tal maneira que reduziu a sua distância para Latvala a… 0,5 segundos. O elevado nível competitivo deste Mundial, com a chegada dos novos WRC em 2017, está a confirmar-se na prova organizada pelo Automóvel Clube de Portugal, com uma “guerra” ao décimo de segundo.

  • A correr em casa, a DS Virgin Racing vai electrificar as ruas de Paris no ePrix que vai decorrer na Cidade Luz
  • A equipa está a postos para a 6ª ronda do Campeonato FIA de Fórmula 1 2016/2017, aproveitando em pleno todas as capacidades do DSV-02.

A DS Virgin Racing prepara-se para electrificar o ambiente no ePrix de Paris, a 6ª prova do Campeonato FIA de Fórmula E 2016/2017, apostando tudo na alta performance que está ao alcance da equipa.