user_mobilelogo
  • Edição comemorativa dos 50 anos da mais mediática prova de estrada nacional, na qual a Citroën tem um vasto historial de sucessos, o Vodafone Rally de Portugal 2017 volta a ser este ano simultaneamente pontuável para o Campeonato do Mundo de Ralis (6ª prova do WRC) e para o Campeonato Nacional de Ralis (CNR), revestindo-se, por isso, de acrescida importância para o Citroën Vodafone Team.
  • Aquela que será a 5ª prova do CNR 2017 apresenta-se como a oportunidade ideal para a dupla José Pedro Fontes/Inês Ponte reconfirmar as suas credenciais inerentes ao título de Campeões Nacionais de Ralis, que vão defender, frente a um alargado leque de adversários, com o objetivo de reforçar a liderança do campeonato nacional.
  • O Rally de Portugal disputa-se a norte do país, de 18 a 21 de maio, dividindo-se por quatro dias, que integram 19 Especiais, totalizando 349,17 km cronometrados.

Os Campeões Nacionais de Ralis apostam na obtenção de bom resultado nesta edição nº 50 do Vodafone Rally de Portugal, prova que sai para a estrada amanhã (18 maio) e que constitui uma nova etapa para a revalidação dos títulos de Pilotos e Navegadores.

O Campeonato Nacional de Ralis irá prosseguir já esta próxima 5ª feira com a edição de 2017 do emblemático Rallye de Portugal, prova pontuável para o Campeonato do Mundo de Ralis e este ano também para o Nacional de Ralis.

A Bridgestone quer chegar mais longe do que o segundo lugar alcançado em Le Mans, quando as suas melhores equipas de resistência enfrentarem as 8 Horas de Oschersleben, na Alemanha, no dia 20 de maio.

A equipa oficial do EWC da YART Yamaha, equipada pela Bridgestone, liderou as 24 Horas do Le Mans Moto (15-16 Abril) durante grande parte da corrida e terminou na segunda posição, a menos de 20 segundos do primeiro classificado, também da Yamaha, e 12 voltas à frente das restantes equipas.

Uma semana depois do campeonato nacional de motocross ter visitado o renovado traçado de Águeda a caravana desce de novo ao Ribatejo e irá cumprir no próximo Domingo a sétima prova da época na pista da Moçarria.

Pedro Coelho Saraiva  estava  satisfeito no final da rampa da Falperra, como nos confirmou depois de retirar o seu capacete, isto já em pleno parque fechado da Rampa da Falperra, bem junto ao Santuário do Sameiro, onde nos começou por dizer “  correu da melhor maneira,  mas estive mais lento que há dois anos nesta mesma rampa, e isso em parte por causa da falta de ritmo da minha parte, e este carro ser muito diferente do que utilizei na época passada.Em 2016 utilizei um Mitsubishi Evo IX, e este que corri agora na Falperra é um Evo 9, daí as grandes diferenças entre os dois carros.O resultado aqui alcançado, melhor era completamente impossível, e agora de seguida há que parar para pensar, pois para todos os efeitos venci tres categorias, o Grupo N, Categoria 3, e o  segundo classificado na categoria do Europeu de Montanha, portanto um feito difícil de igualar nos próximos anos”.