user_mobilelogo
  • Vendas de híbridos plug-in aumentam 134% na Europa no primeiro trimestre de 2020
  • Versatilidade, sustentabilidade e rótulo zero são alguns dos pontos chaves para o crescimento do segmento
  • O novo Leon e-HYBRID tem uma bateria de 13 kWh e uma autonomia de 64 quilómetros em modo elétrico (72 km NECD)

Os veículos híbridos plug-in tornaram-se uma das opções mais populares para os clientes que apoiam a mobilidade sustentável. De acordo com os dados da Associação Europeia de Fabricantes de Automóveis, no primeiro trimestre de 2020, as vendas na Europa aumentaram 133,9%. As razões são: o rótulo zero (se tiverem uma autonomia elétrica superior a 40 km), um preço atrativo e a versatilidade que oferecem por terem dois motores diferentes.

Segue-se um guia que permite aproveitar ao máximo as infinitas possibilidades no dia-a-dia, com o SEAT Leon e-HYBRID como exemplo e os seus modos indicados de acordo com o tipo de viagem a fazer.
 
1. Trajetos diários até 60 km: Modo-E. Os híbridos iniciam-se em modo elétrico por defeito e continuam até que a bateria esteja esgotada. Depois, sem que o condutor tenha de fazer qualquer tipo de seleção, o motor de combustão assume o controlo. Esta transição também ocorreria se o veículo necessitasse de mais energia ou se uma determinada velocidade fosse excedida.  "No caso do Leon e-HYBRID, pode ser conduzido em modo elétrico até 130 km/h", diz Gerhard Lux, responsável pelo desenvolvimento da unidade híbrida e elétrica da SEAT. Gerhard Lux acrescenta ainda que "seria adequado para viagens diárias de cerca de 50 a 60 quilómetros, tanto em zonas urbanas como em autoestradas. Desta forma, o veículo funcionava sempre em modo elétrico".
 
2. Viagens planeadas com mais de 60 km: Modo Híbrido Automático. Quando as viagens são planeadas e excedem a capacidade da bateria, o modo híbrido cumpre totalmente a sua função. O motor elétrico já não é predeterminado. Neste caso, é melhor definir o itinerário no navegador para que o veículo faças as suas estimativas. "Graças ao Modo Híbrido Automático, o veículo utiliza o navegador para gerir o uso da bateria. Desta forma, dará prioridade ao modo elétrico na cidade e tornar-se-á secundário em trajetos de autoestrada. O objetivo é chegar ao ponto de recarga com uma bateria esgotada", explica Gerhard Lux. Para itinerários mais complexos com paragens intermédias, a função Intelligent Hybrid define qual o sistema a utilizar para otimizar a carga.
 
3. Viagens “à aventura”: Modo Híbrido Manual. Como a vida nem sempre pode ser planeada, às vezes também não se sabe com antecedência o percurso que será feito com o veículo. Como por exemplo, quando durante o dia temos que fazer várias viagens de trabalho ou fazer uma viagem “à aventura”. Nestas situações, o Leon e-HYBRID oferece várias possibilidades. "Podemos escolher entre três opções: manter a carga estável, escolher um nível mínimo de bateria que não possa ser ultrapassado para usar quando necessário e, por fim, aumentar o nível", diz Gerhard Lux.
 
Raio-X a um híbrido
 
Para saber como maximizar o desempenho de um PHEV, é importante conhecê-los por dentro. Um híbrido plug-in apresenta todas as partes de um modelo de combustão e todas as partes de um elétrico. Existem dois motores, um que é alimentado pelo depósito de combustível e um elétrico que é alimentado pelas baterias, que são carregadas pelos travões e ao ligá-lo. "Os motores podem funcionar separadamente, mas se for necessária mais energia podem funcionar ao mesmo tempo. No Leon e-HYBRID, o resultado da combinação de ambos os motores dá uma potência de 204 cv", diz o responsável pelo desenvolvimento da unidade híbrida e elétrica da SEAT.
 
Factos e números do Leon e-HYBRID
 
Motor elétrico de 115 cv (85 kW)
Bateria de 13 kWh
Autonomia até 64 km em modo elétrico de acordo com o ciclo WLTP (NEDC: 72 km)
Motor a gasolina de 150 cv (110 kW)
Depósito de combustível de 40 litros
Potência combinada de 204 cv 
 
SEAT é a única companhia no seu setor com capacidade total para desenhar, desenvolver, fabricar e comercializar automóveis em Espanha. Membro do Grupo Volkswagen, a multinacional tem a sua sede em Martorell (Barcelona) e vende veículos com as marcas SEAT e CUPRA, enquanto SEAT MÓ abrange produtos e soluções de mobilidade urbana, exportando 81% dos seus veículos, estando presente em mais de 75 países. Em 2019, a SEAT vendeu 574.100 automóveis e alcançou um lucro após impostos de 346 milhões de euros e um volume de negócios recorde de mais de 11 mil milhões de euros.
 
A SEAT emprega mais de 15.000 profissionais e conta com três centros de produção: Barcelona, El Prat de Llobregat e Martorell, onde fabrica o Ibiza, Arona e o Leon. A empresa também produz o Ateca na República Checa, o Tarraco na Alemanha, o Alhambra em Portugal e o Mii electric, o primeiro veículo 100% elétrico da SEAT, na Eslováquia. A estas instalações juntam-se SEAT:CODE, o centro de desenvolvimento de software localizado em Barcelona.
 
A SEAT irá investir 5 mil milhões de euros até 2025 em projetos de I&D para desenvolver veículos, especialmente para eletrificar a gama, em equipamento e instalações. A empresa pretende fazer da Martorell uma fábrica de impressão com zero emissões de carbono até 2050.

ocasião min