user_mobilelogo
  • A SEAT  procura, através da Xplora, soluções inovadoras num dos maiores centros de tecnologia do mundo
  • Em Tel Aviv (Israel), existem 6.600 startups, 800 das quais são dedicadas à indústria automóvel
  • Inteligência artificial para avisar os condutores se estiverem distraídos ou luzes que escurecem automaticamente: este é o futuro do seu veículo 

“Alerta de distração! Condutor adormecido". Será desta forma que, no futuro, os automóveis podem avisar os condutores caso detetem que estes estão com os olhos fechados ou se desviam os olhos da estrada. E, com o toque de um botão, poderemos ajustar o nível de opacidade ou transparência dos vidros. Estas são apenas algumas das soluções inovadoras que a SEAT está a trabalhar através do projeto Xplora em Tel Aviv, Israel, um dos pontos mais avançados do planeta a nível tecnológico.  “Se queremos moldar o futuro, precisamos de estar nos ecossistemas mais inovadores”, afirma Stefan Ilijevic, responsável de inovação de produtos da SEAT.

Inteligência artificial para uma condução mais segura. As pálpebras, o ângulo da visão, a posição da cabeça... Um algoritmo analisa as ações do condutor e alerta-o em caso de distração ou sonolência. Também deteta o uso do telemóvel e se o cinto de segurança está colocado. A SEAT em parceria com a startup Eyesight Technologies trabalha na adaptação deste sistema de monitorização dos seus automóveis. Segundo um relatório da Comissão Europeia, 36% das colisões são causadas por alguma forma de distração e cansaço do condutor nos três segundos que antecedem um acidente. 

"O nosso software é a chave da segurança", afirma Tal Krzypow, vice-presidente de produto da Eyesight Technologies. Além disso, pode ser utilizado para identificar o condutor e adaptar-se às suas preferências, desde a temperatura interior até à posição dos espelhos. “Haverá ainda mais benefícios quando o nosso sistema se fundir com outros que, por exemplo, são capazes de detetar um peão. O software será capaz de analisar se o condutor vê o peão e avisá-lo, caso este não o veja”, conclui Tal Krzypow.

Controlo de luz com o toque de um botão. Às vezes, a luz do sol através da janela é ofuscante quando conduzimos. Outras vezes, queremos apenas mais privacidade. O sistema de vidros da Gauzy permite aos utilizadores escurecer ou clarear o vidro do pára-brisas, janelas e teto panorâmico on demand: "Desenvolvemos diferentes tipos de filme plástico com moléculas que reagem a um impulso elétrico para  deixar passar mais ou menos luz", afirma Adrian Lofer, co-fundador e responsável de tecnologia da Gauzy, uma empresa de nanotecnologia que colabora com a SEAT.  “Somos a única empresa no setor das ciência de materiais que trabalha com nanotecnologia baseada em SPD e em cristal líquido. Ambas as tecnologias permitem que o vidro mude para sombreado ou opaco para oferecer uma experiência personalizada ao utilizador e em seguida, regresse à clareza apropriada para conduzir" acrescenta Adrian Lofer.

No Silicon Valley do Médio Oriente. Algumas das empresas mais bem-sucedidas do mundo começaram na garagem de alguém. Gauzy começou na cozinha de um de seus fundadores, que procurava uma maneira de tornar as janelas mais privadas. Hoje, a Gauzy tem mais de 100 funcionários, incluindo engenheiros mecânicos e químicos, e possui duas fábricas em Israel e na Europa. É um exemplo da cultura inovadora de Tel Aviv. Como eles, existem 6.600 startups, 800 das quais dedicadas à indústria automóvel, concentradas numa área de apenas 35 km2. Segundo Aitor Aizkorreta, responsável de scouting da SEAT em Israel, "esta concentração de empresas emergentes faz de Tel Aviv um dos centros mundiais de inovação mais fáceis de explorar em busca de soluções que melhoram os nossos automóveis e serviços".

Xplorando a vanguarda tecnológica. Em apenas dois anos, a SEAT trabalhou com mais de 200 empresas israelitas emergentes através da Xplora. O objetivo é realizar pelo menos 10 provas de conceito anualmente, ou seja, testar como as inovações selecionadas em veículos e serviços seriam adaptadas. A equipa responsável pela inovação da SEAT procura, em primeiro lugar, soluções para bem-estar e saúde, segurança cibernética, sustentabilidade e inteligência artificial. Para isso, uniram forças com a Champion Motors, importador das marcas do Grupo VW. "O nosso papel é construir pontes entre a SEAT e as startups para alcançar possíveis diferenças culturais ao trabalhar em conjunto e promover sinergias empresariais”, explica Tal Brin, diretor executivo da Champion Motors.

Moldar o futuro. "Se queremos ser uma referência na indústria automóvel e não apenas um simples espetador, é necessário estar não apenas em Tel Aviv, mas também nas principais referências tecnológicas do mundo”, garante o responsável de inovação de produtos da SEAT, Stefan Ilijevic. Estar com eles,  acrescenta, "não permite apenas sermos os primeiros a alcançar e utilizar as novas tecnologias, mas também atrair os melhores talentos, pois eles querem trabalhar em empresas que  liderem a mudança".

SEAT é a única companhia no seu setor com capacidade total para desenhar, desenvolver, fabricar e comercializar automóveis em Espanha. Membro do Grupo Volkswagen, a multinacional tem a sua sede em Martorell (Barcelona), exportando 80% dos seus veículos, estando presente em 80 países dos cinco continentes. Em 2019, a SEAT vendeu 574.100 automóveis, o melhor resultado da sua história.
 
O Grupo SEAT emprega mais de 15.000 profissionais nos seus três centros de produção: Barcelona, El Prat de Llobregat e Martorell, onde fabrica os bem-sucedidos Ibiza, Arona e Leon. Adicionalmente, a companhia produz o modelo Ateca na República Checa, o Tarraco na Alemanha, o Alhambra em Portugal e o Mii electric, o primeiro veículo 100% elétrico da SEAT, na Eslováquia.
 
A multinacional espanhola tem um Centro Técnico que se configura um “núcleo de conhecimento” que integra cerca de 1.000 engenheiros que têm como objetivo impulsionarem a inovação do maior investidor em I&D de Espanha. A SEAT disponibiliza a mais recente tecnologia de conectividade na sua gama de veículos e está empenhada num processo de digitalização global da empresa para impulsionar a mobilidade do futuro.

Assim se explora o futuro