user_mobilelogo

• Vendas aumentam 9,8% entre janeiro e março
• Bram Schot, Diretor de Vendas: “O melhor resultado de sempre no primeiro trimestre dá-nos um forte impulso”
• Enorme crescimento na China (+ 41,9%) e na América do Norte (+ 10,2%)
A Audi terminou o primeiro trimestre com o melhor resultado de sempre em toda a história da Marca: entre janeiro e março, vendeu cerca de 463.800 unidades em todo o mundo,o que representou um aumento de 9,8 por cento em relação ao período homólogo de 2017. Destaque para os elevados crescimentos registados na China (+ 41,9%) e na América do Norte (+ 10,2%) nos primeiros três meses deste ano. Na Europa, no entanto, as vendas do trimestre sofreram uma quebra em relação ao ano recorde de 2017, num retrocesso de 4,7 por cento. Só no mês de março, a Audi entregou cerca de 183.750 automóveis (+ 6.0%) em todo o mundo.

“O melhor resultado de sempre no primeiro trimestre dá-nos um forte impulso. Com o lançamento do Audi A7 e das gamas A6, A1 e Q3, ao longo do ano, só na Europa, estaremos a renovar um quarto das nossas vendas”,destaca Bram Schot, Membro do Conselho de Vendas e Marketing da Audi AG.
Na China, a Audi também terminou o primeiro trimestre com sucesso, tendo vendido 154.270 unidades desde janeiro, um incremento de 41,9 por cento. Só no mês de março, a Marca registou o maior aumento de sempre nas vendas neste mercado, com 54.031 unidades, mais 30,6 por cento do que em igual período do ano passado. O A4 provou ser um importante motor neste crescimento de 2018: desde o início do ano, mais de 37.350 clientes chineses receberam as chaves de um Audi A4 (+ 99,2% do que no primeiro trimestre de 2017).
O aumento de vendas deste bestseller está a seguir a mesma tendência positiva também no mundo,registando um crescimento de 15,3% – para cerca de 87.850 unidades – no período entre janeiro e março.
Com as vendas a registarem uma quebra de 5,8% em março, a Europa é indicativa do “ramp-up” e da situação de descontinuação do atual portefólio de modelos. Na Alemanha e no Reino Unido, os dois maiores mercados europeus da Audi, as vendas caíram em relação aos números muito positivos registados em 2017.
Na Alemanha, a Audi vendeu 28.247 unidades em março (-9,0%), e no Reino Unido as vendas caíram 2,9% em relação ao mesmo mês de 2017. Já no primeiro trimestre, as vendas no Reino Unido foram semelhantes às do ano anterior. A procura em Espanha (+ 11,3%) e em Itália (+ 2,8%) foi positiva no mês de março, com o Audi Q5 a despertar o interesse dos clientes nestes dois mercados desde o início do ano: 1618 clientes espanhóis (+ 51,5%) e 2106 italianos (+ 131,9%) optaram por este SUV durante o primeiro trimestre. Outro resultado positivo na Europa: na Áustria, a Audi foi a marca líder do mercado premium entre janeiro e março.
No continente norte-americano, a Audi também continuou o crescimento em março, aumentando as vendas 8,3 por cento, para cerca de 24.550 unidades. Com cerca de 61.400 veículo vendidos no primeiro trimestre, a Marca registou um crescimento acumulado de 10,2 por cento nesta região. Só no Canadá, a Audi vendeu 3404 unidades em março, continuando o seu crescimento de vendas na ordem dos dois dígitos nos últimos meses (+ 14,0%). Desde janeiro, cerca de um em cada três clientes canadianos escolheram um Audi Q5.
A Audi América registou mais um mês recorde, com as vendas a aumentarem 7,4 por cento, para um total de 20.090 unidades. A família de modelos Q foi, mais uma vez, determinante para esse sucesso. A quota de SUV nos Estados Unidos é, atualmente, de 52%, ou seja, um em cada dois Audi vendidos neste mercado é um modelo Q. O Audi Q7 é cada vez mais popular, sendo que, em março, um em cada três Q7 vendidos foi para um cliente americano. Entre todos os modelos, as vendas acumuladas aumentaram 9,7% nos Estados Unidos.

Audi