user_mobilelogo

Regressam a estas paragens os ralis e o circo que os rodeia. Será já no próximo Sábado que decorrerão os reconhecimentos organizados pelo Demoporto, para os pilotos inscritos no Rali Serras de Fafe, prova que irá para a estrada no fim-de-semana de 17 e 18 de Fevereiro com a organização da 1ª prova do Campeonato de Portugal de Ralis. Como habitualmente, esta prova iniciará o campeonato, permitindo aos aficionados o regresso ao convívio com, pilotos, navegadores, equipas técnicas, jornalistas e organizadores. Oportunidade também para ver e rever os muitos pontos de interesse desta cidade: prova disso, o edifício onde, uma vez mais, será organizado o secretariado desta prova.

Desde os anos 80 do século passado que um grupo de apaixonados pelos ralis organiza provas de estrada em Fafe. Quando iniciaram a aventura, longe estariam de imaginar que esta zona do país seria tão conhecida pelas provas de rali. Alguns locais tornaram-se mesmo míticos e passaram já para a história do desporto automóvel, a nível mundial!
Primeiro com a secção de desportos motorizados do FCP e depois com o clube Demoporto, este grupo de entusiastas encontrou nas gentes de Fafe bem como nos seus autarcas um forte apoio para levar a cabo este projeto, já com mais de três décadas.
Numa região localizada junto à Serra de Fafe Basto e aos picos da Lameira, Penouta ou Lapela, foram desenhados os primeiros troços deste rali, com a ajuda preciosa de Parcídio Sumavielle, á época, presidente de Câmara desta cidade. Ao longo dos anos todos os autarcas que o sucederam entenderam a força desta prova e dos troços que a integram. Só assim tem sido possível continuar a organizar este rali, com todas as dificuldades associadas a uma prova realizada em troços de terra. Aliás, prova da paixão pelos ralis dos responsáveis locais, é o facto de também o Demoporto organizar uma outra prova nesta região, o também reconhecido rali Montelongo, que utiliza troços de asfalto.
Luílhas, Lameira, Montim, Ruivães ou Lagoa são hoje nomes bem conhecidos nos ralis; mesmo alguns restaurantes como o Chamonix ou o Académico passaram a ser locais de culto dos aficionados destas provas.
Pontos turísticos como a Casa do Penedo seriam sempre locais a visitar, mas a verdade é que o Rali de Fafe a tornou incontornável, localizada junto ao primeiro salto da Lameirinha, ainda antes do Confurco. Sim, o Confurco, aquele local que impressiona sempre que se lá passa em dia de rali: um enorme anfiteatro onde os aficionados se concentram para ver a célebre passagem terra-asfalto-terra.
Talvez a melhor prova de reconhecimento pela qualidade destes troços e pelas gentes que têm ajudado a mantê-los seja o regresso a esta zona do Rali de Portugal. Se esta zona fazia já parte do Rali de Portugal até 2001 – ano da sua saída do WRC e posterior passagem para os troços alentejanos e algarvios - desde o seu retorno ao norte que a Power Stage acontece na Lameirinha e a etapa final desta prova se desenrola á volta da cidade de Fafe.
 
Como habitualmente nesta prova, os reconhecimentos vão desenrolar-se em condições de maior segurança, visto serem encerrados os troços a percorrer.
Mas ainda antes de passarmos aos reconhecimentos, não poderíamos deixar de falar de um conjunto de instituições e empresas, sem as quais este rali não poderia existir. Não poderia existir este rali nem as suas anteriores edições. Permito-me até afirmar que não poderiam existir quaisquer ralis como os próprios concorrentes! Refiro-me, obviamente, aos patrocinadores, sem os quais este desporto não consegue sobreviver.
Só quem já organizou um rali ou quem se propôs participar em provas como concorrente entende melhor estas palavras.
Para o Demoporto nomes como a CAM, a Daro, a Esso, a Porto Petróleos, a Fiat, a Inspauto, a M&Costas, a Carplus, o Grupo Fernando Simão, a Jorjauto/Mitsubishi, a Rodam, a Mobil, a CUCP-Companhia União de Crédito Popular e a Câmara Municipal de Fafe são muito importantes, pois são os principais responsáveis pelo sucesso desta prova. Ao longo de mais de 30 anos foram e são ainda alguns deles que nos ajudam a manter de pé este projeto: com apoio logístico, com apoio financeiro ou com a cedência de meios e instalações, todos eles têm colaborado com a nossa equipa na organização desta prova.
Por isso, seria de uma enorme ingratidão não os lembrar antes de irmos novamente para a estrada na época de 2018. A todos os nossos patrocinadores, que ao longo dos anos se associaram e associam ao Rali de Fafe, vai o nosso sincero reconhecimento.
A todos aqueles que no fim-de-semana de 17 e 18 de Fevereiro próximos estarão na estrada para assistir à festa dos ralis ou, ainda antes, acompanhando os reconhecimentos da prova, não esqueçam a importância destas empresas para que possam desfrutar bons momentos assistindo e participando no desporto/espetáculo de que todos gostamos.
 
Até Fafe e vivam os ralis e os seus apoiantes!

unnamed